A vida começa aos quarenta?

Quando era criança achava que pessoas com 40 anos eram velhas, 60 anos bem velhas e 80 anos, tinham sorte de estarem vivas!!! Até os 18 anos, não gostava muito de festa, abraços e beijos, era um tanto quanto seca e chatinha. Depois veio a faculdade, trabalho e virei professora, daí mudei bastante e me reinvento a todo instante.

Em novembro de 2017 fiz 40 anos, e minha concepção de velho mudou muito. Não escondo a minha idade e fico muito feliz quando me dizem que não pareço ter a idade que tenho. Amo comemorar meus aniversários, começo a anunciá-lo um mês antes, (que bom que o Facebook lembra a data dos aniversários, isso facilitou muito a minha vida) faço contagem regressiva, escrevo no quadro na sala de aula e já cheguei até a marcar trabalhos com data de entrega no meu aniversário para ganhar festinhas, cartinhas, mensagens e muito carinho.

Hoje, o que me faz feliz são os momentos vividos e o que deixarei de legado. Sobre o meu aniversário planejo cada ano uma coisa diferente, estar em família e amigos é o que mais gosto. Planejo meu aniversário sim, afinal tenho uma irmã gêmea. Brinco que Deus foi generoso criando duas ”Elisângelas”, então cuidado quando ver minha cópia andando por aí­, ”Rosângela”.

Eu se me perguntar: Quando começou a sua vida?

A minha vida não começou aos 40, ela começa todos os dias, quando faço a diferença em tudo que me proponho. Às vezes dá certo, às vezes nem tão certo, mais continuo tentando. Vou em busca de realizar cada sonho, não posso esperar que ele aconteça, tenho que fazer acontecer. Quando realizo, idealizo novos sonhos.

Nasci no dia 03 de novembro de 1977. A Minha mãe nos conta que no meu nascimento e de minha irmã, ficou perguntando a todo instante para a enfermeira que horas eram, que esperou passar das 1:00h da manhã pra dar a luz, com medo de nascermos no dia de finados. Se bem que acho muito bizarro isso de ficar segurando o bebê para dar a luz, ainda mais de gêmeas. Meu nascimento foi bem difí­cil. Só saia um pé, o médico teve que fazer uma manobra de resgate para eu nascer, mas aí já é  outra história.

”Há três coisas que um homem deveria fazer na sua vida: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro”.

Já fiz tudo isso e procriei 3 vezes. Se tenho medo de morrer? Claro que sim!!! Já teve época de ter 3 seguros de vida. Tenho medo de morrer, deixar meus filhos, minha família, de não escrever e ler tudo que gostaria, não realizar tudo que tenho em mente, por isso vivo intensamente.

O que eu desejo aos 40 e para vida toda?

Ser uma imortal no coração dos meus queridos familiares, amigos, alunos e leitores. Viver todo o dia como se fosse o último e fazer a diferença. Desejo o mesmo pra você .

Dedico esse artigo ao homem mais incrível que conheci. Meu pai. Antônio Carlos Corrêa da Silva, que se foi aos 42 anos precocemente, vítima do alcoolismo.

Ei!

Viva!

Vida!

Viva a Vida!

Elisângela Medeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *