Por entre malas e carrinhos de feira, num grande mercado de sonhos!

A 18ª Festa do Livro da USP, uma das maiores festas que participei. Impressões vistas por um amante dos livros, bem do coração de um dos maiores encontros de editoras e títulos do país.

Por, Pedro Cotrim

A semana acorda cedo, uma hora e meia de ansiedade e pernilongos materializando-se em meus braços e rostos. Um dia antes, uma rápida arrumação, mais para pegar o espírito da coisa. Fora rápida, cansativa, mas com diversões. Na terça, 22 de novembro, desço na praça do relógio de sol  às 6h40, deveria chegar às 8, mas o medo de atrasar e a vontade de estar fizeram-me levantar bem cedo – em São Paulo, quando não conhecemos direito o lugar e as conduções, vale levantar mais cedo e ter sempre um livro na mochila. Todos chegando, no horário, lonas dobradas, luzes acesas e a largada dada. Um mergulho totalmente ignorante ao mundo dos russos e seus companheiros de leste europeu. Não sabia muito, só havia lido as grandes obras de Dostoiévski, o mais pop deles, mas mesmo assim, fui fuçando, descobrindo, aprendendo, me encantando. A dor no braço, no fim do turno não fez frente à alegria e satisfação de um dia cercado de livros e da vontade de estar ali. Assim passei o primeiro dia de trabalho na 18ª Festa do Livro da USP, que acontecera entre os dias 22 e 25 de novembro e reuniu as principais editoras do país, com títulos e descontos incríveis. Hoje, não só entendo, como faço planos de uma poupança para novembro de 2017. Uma grande oportunidade de ter os livros dos sonhos. Estava em um local privilegiado, senão me falha a memória (ela erra mais que acerta), box nove, da tenta amarela, uma tenda que tinha num dos cantos a Companhia das Letras e seus milhões de títulos, Aleph e tudo que um nerd precisa ter nas estantes, Zahar e na nossa frente, Instituto Moreira Sales com aquela caixa do Pixinguinha… passei uma semana trabalhando na Editora 34, uma editora que conhecia, mas que agora, tenho na lista das preferidas – destaco os colegas e os agradeço, motivados, empolgados, apesar do cansaço, aprendi muito. Muito cansaço físico, fazia tempo que não o sentia, isso mudou a rotina e me obrigou a sair do quarto, meu atual escritório. Deixando a minha experiência de lado e falando da magia de um evento assim, pensar em milhões de livros, milhares de pessoas e sonhos incalculáveis, é trazer à tona, uma experiência única para os amantes dos livros. Um verdadeiro Éden, com 50% de desconto! A sensação é de partilha, de troca de sorrisos e informações, dali, sai-se mais experiente, com mais conteúdo, com mais repertório e com o cheiro dos livros, na memória olfativa, o que custa a sair e brigamos para fazê-lo ficar. Um evento de dimensões impossíveis de serem medidas, três tentas, cores diferentes: verde, azul e amarela, com mais de 150 editoras e milhões de títulos, divididos entre assuntos acadêmicos, infanto-juvenil, literatura clássica, literatura contemporânea, quadrinhos, cultura pop e o que der para imaginarmos. Visitantes – cerca de 240 mil passaram pela Festa, nos seus quatro dias de duração –, tão ansiosos quanto eu, creio, com malas, carrinhos de compras, sacolas, viajando por toda uma feira de conhecimento e sonhos. Essa foi a 18ª Festa do Livro da USP, vista de dentro, vista com o coração de quem pode ter o prazer de se sentir livreiro por um tempo pequeno, mas revolucionário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *