Interpretação de texto: do anúncio ao edital

Olá leitores!
Essa semana trago um assunto que eu já deveria ter falado, um grande problema que temos que começar a sanar: a falta de interpretação de texto.
Percebemos cada vez mais isso desde em uma conversa até em um edital de concurso, por exemplo: às vezes duas pessoas estão discutindo simplesmente porque não entenderam o que a outra pessoa quis dizer, por vezes simplesmente por NÃO QUERER entender o que o outro quer dizer. Isso acontece também em outras coisas. Quantas pessoas já não viram a seguinte situação:

Anúncio:
Vendo uma TV de 20 polegadas, R$ 300,00, somente para entrega no Rio de Janeiro.

Cliente-que-não-presta-atenção-1: Qual o tamanho?
Cliente-que-não-presta-atenção-2: Qual o valor?
Cliente-que-não-presta-atenção-3: Entrega em São Paulo?
Cliente-que-não-presta-atenção-4: É uma máquina de lavar?

Parece bobagem, mas tem vezes que a situação é exatamente assim.
“Ah, Bia, mas o que isso tem a ver com literatura?” Oras, se as pessoas não entendem um simples anúncio, vão entender um edital de concurso? A linguagem subliminar em um texto? Queridos leitores e escritores, vocês trabalham com as palavras, com o texto! É imprescindível saber entender o que está por trás disso! E qual é minha intenção nesse texto? Ajudar vocês com isso. Tenho a fórmula mágica? Não, mas posso dar uma dica valiosa: leia com calma antes de enviar, perguntar ou falar qualquer coisa. Como assim? Vamos lá. Eu converso com algumas pessoas de algumas editoras que fazem seleções tanto de originais quanto de concursos literários e sabe o que a maioria diz do que os escritores enviam? A grande maioria não se encaixa. Autores enviam originais de um gênero diferente do publicado pela editora, não pesquisam nada sobre ela ou o modo que fazem seleção, simplesmente saem enviando aleatoriamente. E quando tem um edital? Nossa, como tem gente que simplesmente o ignora! O concurso é de poesia romântica e a pessoa envia um conto de terror. Isso é sério, já ouvi alguns casos de acontecer coisas do gênero. Mas se você fez isso, não fique se sentindo mal ou querendo desistir de escrever, você só precisa de uma coisa: prestar atenção! Leia tudo antes! Não só na literatura, como em tudo na vida (isso também vale para aquela corrente de rede social surgida sabe lá de onde que você compartilha antes de se certificar que aquilo é real ou simplesmente inventado por alguém sem nada para fazer).
Bom, hoje o artigo foi mais para acordar um pouco, eu também já enviei e recebi coisas em sentido, o importante é saber que sempre temos que melhorar.
Por hoje é só, espero vocês nas próximas semanas! Lembrando que estarei na Bienal do Livro e adoraria conhecer vocês! Até mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *