> Colunistas  > Elisângela Medeiros  > Interesse pela literatura na infância – Parte I

Interesse pela literatura na infância – Parte I

Por, Elisângela Medeiros

 

Encantamento é a palavra chave para a formação de futuros leitores e os pais e familiares tem a missão de encantar os pequenos na infância.

Ao ouvirem cantigas de ninar,  historinhas para dormir, cantigas de roda, as crianças criam uma atmosfera e vínculos de afeto com os pais e, vão sendo estimuladas a terem curiosidade em ouvirem e prestarem atenção quem está cantando,  com paciência para ouvir uma historinha até o final, historinha essa que contada de forma prazerosa e afetuosa, aproxima a criança ao adulto e, consequentemente, dos livros que estão sendo utilizados pelos pais.

Lembrem-se de que o livro escolhido para a criança deve ser de interesse dela. Não obriguem a criança a ouvir uma história ou a folhear um livro, isso deve ocorrer de forma agradável para evitar traumas.

Crie um local apropriado com almofadas, uma estante ou mesa onde os livros fiquem sempre disponíveis. Deixe a criança brincar com os livros e, se por ventura rasgar algum, não brigue e sim a oriente sobre o ocorrido.

Os livros são páginas que se enchem de letras, desenhos e histórias e que, fazem do mundo imaginário um mundo real, uma mistura de sonho e realidade. Ler com entusiasmo, com vozes, sons, afeto e explorando as imagens e ilustrações, faz com que a criança entre na história. É muito comum que nossos pequenos peçam para repetir a mesma historinha. Não fiquem tristes e desanimados, isso significa que eles gostaram muito e estão pedindo repetição para gravarem a história. Quando isso acontecer, explore bastante as imagens, faça perguntas, finjam esquecer a história para sentir o interesse.

Ao estimular a criança a leitura e ao contato com os livros são desenvolvidas habilidades, criatividade, potencial de descobertas, saber esperar e ouvir,  curiosidade, vocabulário,  incentivo  ao gosto pela leitura,  questionamento,  imaginação,  linguagem oral, memória, preparação para a alfabetização,  tornando as motivadas a aprender e tornarem-se futuros leitores, apaixonados por livros.

Incentivar a leitura é fundamental para o desenvolvimento de mentes criativas, saudáveis e brilhantes.

Pais: Sejam encantadores.

No próximo artigo darei sugestões de livros de acordo com a faixa etária da criança.

kgik9yofrn0-mi-pham

Comments:
  • Edileuza Cruz Santos
    1 de fevereiro de 2017 at 21:39

    Elisângela Medeiros parabéns pelo tema que aparentemente é tão antigo, mas atualmente têm a necessidade de ser colocado para os pais. É necessário estarmos junto com nossas crianças e adolescentes, para que tenhamos um mundo mas humano, com muitos sonhos e amor.

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:43

      Verdade Edileuza. Todos juntos por um mundo mas humano e feliz.
      Grande beijo.
      Elisângela Medeiros.

  • Joelma
    2 de fevereiro de 2017 at 09:56

    Parabéns pelo artigo… muito bom e fácil de entender!

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:44

      Fico muito feliz por ter gostado.
      Grande Beijo.
      Elisângela Medeiros.

  • Vagner Petris Ribeiro
    2 de fevereiro de 2017 at 10:03

    Excelente artigo e muito esclarecedor. A leitura é fonte inesgotável do conhecimento, um suplemento para a criatividade. Incentivar nossas crianças a leitura não é só um ato de amor para com elas e sim um ato de amor para a futura humanidade. Parabéns.

    • Vanessa Sandes
      3 de fevereiro de 2017 at 00:17

      Esplêndido o artigo o incentivo ao ato de ler não pode deixar de existir em nossas crianças.
      Suas dicas são acessíveis a qualquer ambiente tornado um simples espaço em um local prazeroso para a leitura.
      Amei!

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:45

      Por muitos atos de amor!!! Viva a leitura!!!
      Grande abraço.
      Elisângela Medeiros.

  • Emília Constantino
    2 de fevereiro de 2017 at 21:57

    Amei o artigo!! Tenho um filho pequeno e com certeza esses artigos irão me ajudar e muito!!

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:47

      Fico muito feliz por ter contribuído com dicas.
      Em breve sairá a segunda parte do artigo.
      Grande beijo.
      Elisângela Medeiros

  • Michelle
    3 de fevereiro de 2017 at 09:03

    Como sempre, arrasou!
    Amei o artigo e a espera da parte II!

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:48

      Obrigada pelo carinho!
      Em breve postaremos a parte II.
      Grande beijo.
      Elisângela Medeiros

  • Vilma das Graças de Lima
    5 de fevereiro de 2017 at 22:59

    Tão antiga como a própria Humanidade é a necessidade que temos de ouvir e contar histórias.Entretanto, com a correria, o cansaço., a tensão diária essa atividade tem sido esquecida pelos pais. O seu texto é importante porque vem incentivar a família a ” ser um encantador”. Além de despertar a curiosidade, a criatividade e o prazer de ouvir as histórias, outro fator importante é a questão do afeto, já que há uma maior proximidade entre os pais e os filhos ao sentar para ouvir e contar isso aumenta a autoestima da criança. Parabéns pelo trabalho
    história que o filho fazia questão de ler ou de contar

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:52

      Quanta ternura e afeto em suas palavras.
      Vamos ser Encantadores!!!
      Vamos propagar histórias, principalmente as de família.
      Grande abraço fraterno!!!

  • Vilma das Graças de Lima
    5 de fevereiro de 2017 at 23:13

    Os Livros
    Apetece chamar-lhes irmãos,
    tê-los ao colo,
    afagá-los com as mãos,
    abri-los de par em par,
    ver o Pinóquio a rir
    e o D. Quixote a sonhar,
    e a Alice do outro lado
    do espelho a inventar
    um mundo de assombros
    que dá gosto visitar.
    Apetece chamar-lhes irmãos
    e deixar brilhar os olhos
    nas páginas das suas mãos.
    José Jorge Letria

    • Elisângela Medeiros
      7 de fevereiro de 2017 at 01:54

      Lindo poema de José Jorge Letria.
      Escolha perfeita.
      Até breve.
      Elisângela Medeiros.

Leave a reply