Desafios da auto-publicação: o livro físico

Olá leitores! Me desculpem pela ausência na semana passada, com a publicação do meu livro em formato físico, mestrado, revisões e tudo mais, às vezes eu acabo ficando meio enrolada e sem tempo, mas estou aqui de volta! Hoje, aproveitando o gancho da minha própria publicação e de algumas coisas que eu ouvi em um evento literário ontem, além de coisas que li nos grupos essa semana, vim falar sobre a transformação do e-book em livro físico.
Antes de mais nada, tenho um conselho muito grande para te dar, caro leitor/escritor: tenha os pés no chão. Dificilmente de um dia para o outro você vai se tornar o maior bestseller do Brasil, vai precisar de muito trabalho, esforço, lágrimas e suor para que você conquiste seu lugar ao sol e para isso você precisa ser persistente. No artigo que falei sobre os profissionais do livro já havia comentado um pouco sobre esse processo de publicação, mas parei na parte da publicação em plataformas de vendas de e-book, hoje daremos um passo a mais: vamos falar de papel!
Primeiro é necessário passar por todos os passos necessários da preparação do seu material, a lembrar:

1 – Escrita
2 – Sua própria revisão (pelo menos 3 vezes com intervalo grande de tempo entre uma e outra)
3 – Registro
4 – Revisão profissional (o ideal seriam ao menos 2 com profissionais diferentes)
5 – Capa
6 – Diagramação
7 – Divulgação
8 – Publicação de ebook

Depois disso, ou até junto à parte 7, começa o trabalho pesado. Antes de tudo é necessário planejamento: você vai procurar várias e várias e várias gráficas e pedir o orçamento do seu livro, sempre verificando com pessoas que já imprimiram com eles para saber da qualidade. Tendo uma ideia do valor que você vai precisar, estabeleça uma meta para a sua primeira impressão, serão 10, 20, 50, 100 livros? Sempre com os pés no chão, tendo certeza que você irá conseguir vender essa quantidade de livros rápido para poder fazer uma nova impressão e não simplesmente ter eles acumulando poeira em casa. Ótimo, mas e se você não tem esse dinheiro para imprimir, o que você faz? Uma pré-venda. Adicione uma margem de lucro satisfatória, mas com um preço inferior ao que você fará posteriormente e coloque o seu livro em pré-venda. Isso é bom não só para juntar o dinheiro da impressão, mas também para ter uma ideia de como vai ser a recepção do seu livro, como está o seu público de leitores. Planeje uma pré-venda com um mês, plataformas de financiamento coletivo são muito boas para isso, pesquise a que tem a menor taxa e vai fundo. Algo que chama a atenção dos leitores é brinde, aposte em marcadores, bottons ou algo original, sempre pesquisando o melhor preço e adicionando na sua meta. Não adianta ter um valor impossível de arrecadar, só vai te trazer decepção e tirar a tua vontade de prosseguir. Portanto, tenha uma meta viável e, caso possa, compre alguns livros extras. Nessa hora, não pode haver vergonha! Manda mensagem para a família toda, amigos, colegas de trabalho, faça post nas redes sociais (inclusive uma página para o seu livro é uma ótima ideia caso você ainda não tenha) e perturbe mesmo! É dever deles te ajudar com o seu sonho, principalmente sua família e amigos (claro que quem não pode, não pode, mas essas pessoas devem ajudar compartilhando, curtindo seus posts e indicando seu livro para o círculo de amigos dela (as pessoas que compram os livros não estão livres disso, coloca eles para ajudar!)). Você conseguiu juntar o dinheiro, fez barulho, seus livros estão vindo quentinhos da gráfica e tudo está lindo. E agora? Planeje o lançamento do seu livro! Caso você tenha acesso, uma livraria é a melhor opção, mas caso não tenha como, a biblioteca do bairro, um centro cultural ou mesmo uma cafeteria são ótimas ideias. Chama todo mundo e pede para todos convidarem mais gente. Leve brindes bobos (os próprios marcadores e bottons) e faça sua tarde de autógrafos. Faça propagando algum tempo antes, mas saiba de uma coisa: existe a possibilidade de poucas pessoas irem. Uma opção é fazer o lançamento em alguma feira (a feira da Multi está vindo aí! É uma ótima forma também) que garante a participação de mais pessoas, mas mesmo se o seu evento não lotar, não se abale, continue no seu trabalho de passarinho, sempre divulgando e lutando para uma apresentação melhor.
Obrigada por ler mais este artigo, vejo vocês na semana que vem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *