> Colunistas  > Beatriz de Castro  > Bloqueio Criativo – quando a imaginação escapa

Bloqueio Criativo – quando a imaginação escapa

Todo escritor(a) já passou por momentos, longos ou breves, de total branco, em que as palavras simplesmente fugiam e nada restou além de contemplar a tela ou a folha de papel em branco, assim como a mente que deveria produzir. Nessas horas, o autor questiona o próprio talento, o método de escrita e o próprio texto, esquecendo que essa situação é completamente normal. As causas para o “branco” são desde estresse, nervosismo, ansiedade, cansaço até simplesmente uma necessidade de pensar um novo rumo para a história desenvolvida.

Mas, o que deve ser feito para melhorar esse estado ou mesmo evitar que isso aconteça? É claro que é ótimo ter uma rotina de escrita, tentando escrever um determinado número de palavras por dia ou durante um certo tempo, pode ser um exercício interessante para dar progressão ao texto, entretanto, devemos ter conhecimento que literatura também é arte, e como tal, também precisa ser descansada e contemplada. Portanto, se as palavras e ideias fogem, seria interessante buscar o que fez elas aparecerem em um primeiro momento. De onde e como veio o primeiro sopro de inspiração? Isso é totalmente individual, pois para uma pessoa ouvir uma orquestra faz com que os pelos se arrepiem e para outras um heavy metal é que faz o sangue circular mais rápido, há ainda aqueles que são atingidos pelos dois ou por nenhum. Ler o autor que te fez ter vontade de escrever, ou estudar a base da sua escrita também são caminhos que levam para longe do bloqueio. Outra forma interessante de vencer esse problema é através de outras pessoas: converse, discuta e dialogue sobre o seu texto e os seus receios, claro que com alguém de total confiança, pois plágio continua sendo um grande problema para vários autores, quem sabe colocando em palavras e expressando pela voz, não seja possível retornar à trajetória inicial? Se nada disso der certo, tudo que o escritor precisa, talvez, é algum descanso para si e para sua obra. Respire, pense, leia e se distraia, talvez a inspiração esteja escondida em algum canto na sua mente, mas não consiga sair pelo excesso de coisas vagando pelo seu cérebro.

Há algo que o escritor não pode esquecer: ele tem sim a capacidade de escrever, pois chegou até ali e muitos passos já forma dados, o bloqueio é apenas um muro para ser alcançado e ultrapassado.   O que não pode acontecer é perder a fé em si mesmo, pois a autossabotagem é um poço infinito, capaz de afundar até o maior gênio de todos. Pode ser que levem horas, dias ou semanas para a imaginação retornar e sua história ter ritmo novamente, mas não desista, você é aquele que sabe o valor e futuro que o seu texto tem e é único que pode colocá-la no papel, ou na tela. Acredite no seu potencial e no da sua obra, porque se você não o fizer, ninguém vai.

Comments:
  • Valéria Reis Gravino
    21 de fevereiro de 2017 at 23:34

    Excelente! Ótimas dicas e o principal: “Never give up!

  • Beatriz de Castro
    11 de março de 2017 at 16:37

    Com certeza! Sempre precisamos continuar!

Leave a reply